Dez tiros a Che Guevara

Os simpatizantes de Che Guevara comemoram mais um aniversário do falecimento do revolucionário, que teve lugar faz trinta e oito anos na quebrada do Yuro, na Bolívia. É o momento apropriado para abordar dez mitos que mantiveram vivo o culto de Guevara.

A ultima vez que visitei o Museu de Arte Moderna em Nova York, um estudante dos estados unidos que exibia uma t-shirt de Che Guevara e uma boina chamou a minha atenção (a casualidade de que Nicole Kidman entrava no recinto nesse mesmo instante por acaso teve que ver com que me apercebi dele). Perguntei-lhe amavelmente o que era exactamente que ele admirava tanto acerca de esse homem. Eis aqui as dez razões que mencionou e as minhas respostas.


Che (foto Net)

1. ESTAVA CONTRA O CAPITALISMO. Na realidade, Guevara era partidário do capitalismo do estado. Opunha-se ao sistema salarial denunciado na gíria marxista como a "apropriação da mais valia" somente quando se tratava de empresas privadas. No entanto converteu a "apropriação da mais valia dos trabalhadores" em todo o sistema estatal. Um exemplo disto são os acampamentos de trabalho forçado que apoiou, começando com o de Guanahacabiles no ano de 1961.


Che e Fidel (foto Net)

2. TORNOU CUBA INDEPENDENTE. Na realidade, maquinou a colonização de Cuba por parte de um poder estrangeiro. Contribuiu a converter Cuba numa cabeceira de praia temporal do poder soviético (selou o tratado em Yalta). Como responsável pela "industrialização" de Cuba, fracassou no objectivo de por fim à independência do país com relação ao açúcar.

3. ADVOGOU PELA JUSTIÇA SOCIAL. Na realidade, ajudou a arruinar a economia ao desencaminhar os recursos para as indústrias que terminaram em fracasso e reduziu a colheita do açúcar, o suporte de Cuba, no fim de dois anos. O racionamento começou sob a administração da economia ilhota.


Che prisioneiro na Bolívia (foto Net)

4. ENFRENTOU-SE COM MOSCOVO. Na realidade, obedeceu a Moscovo até que decidiu pedir-lhe algo em tropa das suas massivas transferências de dinheiro para Habana. Em 1965, criticou o Kremlin porque tinha adoptado o que ele denominava "lei do valor". Depois virou para a China em vésperas da Revolução Cultural, uma das histórias de terror do século vinte. Simplesmente mudou de lealdades dentro do campo totalitário.

5. LIGOU-SE COM OS CAMPONESES. Na verdade, morreu precisamente devido a que não pode "ligar-se" com eles. "As massas camponesas não nos ajudaram em absoluto", escreveu no seu diário boliviano antes de ser capturado – um modo apropriado de descrever a sua viagem através da campina boliviana tratando de provocar uma revolução que nem sequer conseguiu obter a ajuda dos comunistas bolivianos (eles eram o suficiente realistas para se darem conta de que os camponeses não desejavam uma revolução em 1967; já haviam tido uma em 1952).

6. FOI UM GÉNIO GUERRILHEIRO. Na realidade, com excepção de Cuba, todo o esforço guerrilheiro que ajudou a instaurar fracassou penosamente. Depois do triunfo da revolução cubana, Guevara estabeleceu exércitos revolucionários em Nicarágua, na República Dominicana, Panamá e Haiti, todos eles foram esmagados. Mais tarde persuadiu Jorge Ricardo Masetti de que conduzisse uma incursão fatal na Argentina a partir da Bolívia. O papel de Guevara no Congo em 1965 foi tragicómico. Aliou-se com Pierre Mulele e Laurent Kabila, dois carniceiros, mas viu-se envolto em tantas desavenças com o segundo – e as relações entre os combatentes cubanos e os congoleses foram tão tensas – que teve que escapar. Finalmente, a sua incursão na Bolívia culminou na sua queda (que seus seguidores estão comemorando este domingo 9 de Outubro).

7. RESPEITOU A DIGNIDADE HUMANA. Na realidade, tinha o hábito de apoderar-se da propriedade alheia. Ordenava aos seus seguidores que assaltassem bancos ("as massas que lutam estão de acordo em assaltar os bancos porque nenhum de eles têm um centavo neles") e tão pronto como o regime de Batista entrou em colapso, ocupou uma mansão e se apropriou dela – um caso expedito de expropriação com fins públicos de estirpe revolucionária.


Che morto na Bolívia (foto Net)

8. AS SUAS AVENTURAS ERAM UMA CELEBRAÇÃO DA VIDA. Pois bem, foram uma orgia de morte. Executou muitas pessoas inocentes em Santa Clara, no centro de Cuba, onde operou a sua coluna durante a última etapa da luta armada. Depois do triunfo da revolução, esteve no comando da prisão de "La Cabaña" por meio ano. Alô ordenou a execução de centenas de prisioneiros – ex-homens de Batista, jornalistas, empresários e outros. Poucas testemunhas, incluindo Javier Arzuaga, que era o capelão de "La Cabaña" e José Vilasuso, que pertencia ao grupo encarregado do processo judicial sumário, me ofereceu recentemente estes dolorosos testemunhos.


Che morto (foto Net)

9. ERA UM VISIONÁRIO. A sua visão da América Latina era uma realidade bastante obscura. Consideremos, por exemplo, a sua opinião de que os guerrilheiros deviam operar desde o campo porque ali eram donde viviam as massas trabalhadoras. Na realidade, desde os anos 60 a maioria dos camponeses abandonaram pacificamente o campo, em parte devido ao fracasso da reforma agrária, a qual criou obstáculos ao desenvolvimento de uma agricultura baseada na propriedade e das economias de escala com regulamentos absurdos que proíbem toda a classe de convénios privados.

10. ESTAVA CERTO COM RESPEITO AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. Predisse que Cuba superaria o PBI per capita dos Estados Unidos para o ano de 1980. Actualmente, a economia de Cuba apenas pode sobreviver graças ao subsídio do petróleo da Venezuela (cerca de 100.000 barris diários), uma forma de esmola internacional que não fala demasiado bem da dignidade do regime.

 


 

Observações de um comentador do fórum:

Muitas pessoas no mundo estão erradas sobre este "tipelho" que não era mais que um assassino. Quando Cuba seja libertada a estátua de Che em Santa Clara e a que está em frente da Praça de Revolução tem de ser arrancadas com as de Saddan Hussein no Iraque e de Lenine na Rússia.

http://secretoscuba.cultureforum.net/Informacion-General-c3/Secretos-de-Cuba-f1/Diez-tiros-al-Che-Guevara-t1424.htm

website metrics