CLUB-K AngoNotícias NOTÍCIAS LUSÒFONAS UNITA         SIC      
1957 - Humberto Delgado
Humberto Delgado o general sem medo
Revolução do 25 de Abril de 1974 

Proclamação da Junta de Salvação Nacional
Dog Murras - Angola 

Hora Quente 
CFB Angola - 2009 Combóio Mala
As Maravilhas de Portugal no Mundo, Convento do Carmo, Angola
ANGOLA de outros tempos 
Luanda 1904 - 2008 
LUANDA: a miserável e milionária 

Chuva em Luanda
O outro lado de Luanda
DW Angola vozes da cidade ALICE
As Gentes de Angola
Trânsito em Luanda 
Angola 1961 - Sublevação da Baixa do Cassange   
Angola, 4 de Fevereiro de 1961
Batalha de Luanda uma história mal contada?   (Dipanda 11 de Novembro de 1975)
11 de Novembro de 1975 "Dipanda"  fr.jpg (911 bytes)
A Batalha de Cuito Canavale (Victória Mitica de Cuba)   
The Battle of Cuito Canavale (South Africa version)
Eleições em Angola - 1992   
Norte de Angola 1961 

Angola, 27 de Maio de 1977 
Havemos de Voltar - Agostinho Neto 
Morte de Agostinho Neto 
Entrevista com Jonas Savimbi
Discurso do Presidente de Angola José Eduardo dos Santos 

A espectacular visita de José Eduardo dos Santos
Cabinda não é Angola! -
Discurso do Presidente N'Zita Henriques de Carvalho à Nação de Cabinda em 05.11.2006 

Comunidade Mwangolé - http://www.mwangole.net/portal//index.php
Canal Angola Online - http://www.canalangola.net/
Novela brasileira na Central da Periferia em Luanda 
Cesaria Evora - Angola  Cesaria Evora - África Nossa 
Lura - Nha Vida 
Guantanamera  
Cinquenta anos de revolução cubana 1ª parte   2ªparte
 
ANGOLA
    (1) ANGOLA (2)    ANGOLA (3)  ANGOLA (4) 
Os Caminhos de Angola (1)
Os Caminhos de Angola (2)

CHE GUEVARA, ANATOMIA DE UM MITO   
A Morte de Che Guevara
   
NET FOR CUBA INTERNATIONAL

Africana arrebentandoo violão
Os caminhos de Angola" Parte 1
Os caminhos de Angola" Parte 2

Entrevista com Rafael Marques (1/3)
Portugueses em Angola
Angola: Riqueza que gera pobreza
Os guetos brancos na nova África do Sul
Angola onde as crianças mais morrem
Diversos PPS e das cidades de Angola com imagens recentes:
Atenção! Para ver os PPS há que esperar que o PC cerregue (download) porque cada um
tem cerca de 10Mb!

Miss Angola
Miss Universo
25 de Abril de 1974 Norte de Angola 1961 Kuito Huambo
Malange
Lubango Namibe Lobito Cabinda
Nova Luanda
O Outro Lalo de Luanda Ilha do Mussulo Uige Sumbe Gabela N'dalatando Cuba Longe das Praias
Bragança a minha terra

Os meus vídeos (Kuribeka)

 

Comente no meu Livro de Visitas

Almirante vermelho Rosa Coutinho
O TRAIDOR
Extrato do video editado na Google:
Angola -

US, UN, and Communist Revolutionary Tactics in Africa

A VIDA EM ANGOLA
 

 

Click for Lisbon, Portugal Forecast
Lisboa
(Portugal)


O autor"kota"em 08. 2008


Telémaco A. Pissarro
r.petrinus@netcabo.pt

MEMÓRIAS

Angola 1951-1975

MAPA DE ANGOLA

 

Índice


           ARTE KIOKA

ARTE KIOKA

Atenção pessoal de Angola! Àqueles que nasceram depois de 1975 (Dipanda) certamente lhes foi ensinado nas escolas que foi o MPLA e Agostinho Neto, o chamado "pai da pátria angolana" que lutou pela descolonização para que o povo se libertasse do jugo colonial e tivesse uma vida melhor. Neste site vereis pormenorizadamente que isso não passa de uma utopia e não corresponde à verdade dos factos devido às guerras fraticidas provocadas pela ambição do poder do MPLA e dos outros partidos porque, actualmente, Angola sendo um país com uma riqueza natural enorme, está bem pior que em 1975 que era o país mais próspero da costa ocidental de África.

Já fui acusado de não ser imparcial no que escrevi neste site. O que escrevi foi baseado nas minhas memórias e no que encontrei em livros, jornais e na Internet. Por isso, peço a quem quiser relatar as suas memórias baseado em factos reais credíveis que o faça e me envie os textos ou fotos que eu os colocarei neste site para que se possa ver a opinião de ambos os lados do que se passou antes e depois da descolonização. Há muita coisa que não está nos livros nem na Internet mas há vivências pessoais que contadas me ajudarão a repor a verdade doa a quem doer. Podem usar um pseudónimo se quiserem, o mais importante é que os factos relatados sejam reais, credíveis e sem facciosismo político. Obrigado pela vossa colaboração.

Introdução

Fui para Angola em 1951 ainda jovem com 19 anos cheio de ilusões para conseguir uma vida melhor do que aquela que tinha em Portugal continental. Como milhares de outros portugueses (cerca de 500 mil) devido à cegueira política de alguns ultra-esquerdistas do MFA mentores do 25 de Abril, a minha esposa e os meus quatro filhos tiveram de abandonar em 8 de Junho de 1975 a sua querida e amada terra que os viu nascer. Eu só regressei ao meu país natal em 25 de Outubro de 1975 por não ter mais condições e com risco da própria vida, tendo deixado tudo o que conseguimos com muito trabalho e sacrifício durante mais de 20 anos.

Pesquisando na Internet sobre a descolonização de Angola encontrei muita coisa que me servirá de base para escrever estas Memórias além da minha vivência pessoal. Depois de muitas horas de pesquisa intensiva encontrei muitas opiniões de jornalistas, de individualidades que tiverem responsabilidade na dita descolonização, de políticos e relatos dos valentes que combateram a barbárie no norte de Angola e muitas outras coisas mas não encontrei nenhum escrito de memórias pessoais que relatassem com fidelidade o que realmente se passou em Angola desde 1961. Tive também a sorte de ter encontrado, já amarelecidos pelo tempo, (30 anos) alguns jornais de a Província de Angola de 1974/75 que tinha guardado na cave donde tirei informações fidedignas do que aconteceu naquela época.

Li alguns livros escritos por jornalistas que, com risco da sua vida acompanharam os nossos valentes soldados nas operações no norte de Angola de onde obtive a maior parte das fotografias, algumas incrivelmente chocantes que irei colocar no texto para assim poder mostrar ao mundo da Internet a realidade nua e crua que propositadamente foi encoberta e desmistificar o que se disse e escreveu em Portugal sobre a descolonização de Angola, sobretudo pelos partidos de extrema esquerda. Eventualmente poderei escrever algumas imprecisões nas datas dado os anos que já se passaram e que terei de citar de memória pelo que me penitencio.

Começarei por uma descrição sumária do que aconteceu em Angola a partir de 1961 até à independência em Novembro de 1975 e, só depois, escreverei a minhas Memórias desde a minha infância até à data que regressei a Portugal, inclusivamente dos primeiros anos que aqui residimos. Não omitirei nada que seja do meu conhecimento mesmo que isso vá dar uma provável má imagem nossa. Tenho conversado com alguns dos meus amigos que viveram noutras localidades de Angola diferentes onde vivi procurando obter informações fidedignas que me ajudem a repor a verdade doa a quem doer. Vai ser um trabalho árduo e que só será possível levá-lo a bom termo graficamente e ilustrado com fotografias dada a minha experiência na edição de sites na Internet.

1961

Janeiro 4-24

Prelúdio ao inferno. Na Baixa do Cassange, em Angola, negros fazem greve nas plantações algodoeiras e lançam a Guerra de Maria, assim chamada por um dos seus inspiradores ter sido António Mariano, próximo da União das Populações de Angola (UPA). Queimam sementes, destroem pontes fluviais, missões católicas, lojas e casas de brancos, louvam Patrice Lumumba, líder revolucionário do Congo, e clamam pela independência de Angola. As Forças Armadas esmagam a revolta com companhias de caçadores especiais e bombas incendiárias lançadas de aviões. Um responsável da Força Aérea diz ao embaixador americano em Lisboa, C. Burke Elbrick, que a violência teve origem na exploração dos nativos pela Cotonang, firma algodoeira luso-belga. O turbilhão na Baixa do Cassange é omitido da opinião pública. O esforço militar português orienta-se desde 1959 para África e retém lições da Argélia, onde a França enfrenta a subversão nacionalista, com meio milhão de soldados, mas os preparativos de defesa continuam em lume brando.

Fevereiro 4-5

Centenas de negros atacam a Casa de Reclusão Militar e as cadeias civis de Luanda, com o objectivo falhado de libertarem presos políticos. Nos confrontos morrem quarenta assaltantes e sete polícias. O Governo vê-se forçado a emitir um aviso contra os esforços dos brancos para fazerem justiça pelas próprias mãos. A partir de Conackry, o MPLA reclama o 4 de Fevereiro como o início da luta armada em Angola. (...)

Durante o funeral dos polícias, grupos civis armados fazem batidas aos musseques na periferia de Luanda e deixam algumas vítimas. (...) Uma combustão de violência e de pânico convulsiona Luanda. A mitologia da coexistência racial e da harmonia social - trave mestra da política africana de Portugal - sofre um abalo de credibilidade. (...)

Março 6

Botelho Moniz (Ministro da Defesa) e Elbrick encontram-se durante três horas. Na maior da confidências, o embaixador diz ter recebido instruções do secretário de Estado, Dean Rusk, para pressionar Salazar a aceitar o princípio da autodeterminação em África. Botelho Moniz defende uma remodelação que dilate a base social do Governo, de forma a incluir elementos não comunistas da oposição, e a autonomia ultramarina no quadro de uma relação de "tipo Commonwealth". Introduz assim no imaginário político português uma perdurável e falhada projecção: a comunidade transcontinental, de inspiração britânica, que durante treze anos inspirou personalidades como Marcelo Caetano e António de Spínola.

Março 7

Elbrick transmite a Salazar o documento enviado por Rusk, a mando de Kennedy. Os Estados Unidos prevêem convulsões graves em Angola, do tipo das do Congo ou piores, e vão votar contra Portugal em 15 de Março. Sentem que faltariam ao seu dever, como aliados na NATO, se não pedissem a Portugal a realização de reformas graduais em África, no sentido da "autodeterminação dentro de um prazo realista". (...) Salazar recusa a proposta de Washington para que Portugal acerte o passo com a comunidade internacional e, ao fazê-lo, assume a solidão num mundo hostil.

Março 15-18

[No Conselho de Segurança das Nações Unidas] (...) os Estados Unidos, numa inversão da política da Administração Eisenhower, votam pela primeira vez contra Portugal ao lado da União Soviética.

De madrugada, na Fazenda Primavera, perto de São Salvador, grupos de bacongos, empunhando catanas e canhangulos e julgando-se imunes às balas dos brancos, lançam uma ofensiva contra propriedades e povoações na zona de fronteira com o Congo, na Baixa do Cassange, até às cercanias de Vila Carmona (Uige). O Norte de Angola é avassalado por uma onda de brutalidade tribal: assassínios em massa, incêndios, destruições e rapina de haveres, violação de mulheres e crianças. Os tumultos espalham-se às plantações de café isoladas, aos postos de abastecimento, às vias de transporte. Esse terror apocalíptico lançado pela UPA tem por objectivo arrasar o sistema vital das comunidades brancas. (...)

Richard Beeston, do Daily Telegraph, único repórter estrangeiro a viajar pelas áreas da violência depois do 15 de Março, conta a um diplomata americano em Londres que oitocentos portugueses, entre uma população de dez mil, foram massacrados em três dias. "Os rebeldes não estavam bem armados e, antes de lançarem a sua ofensiva, pareciam ter uma fraca organização. Foram convencidos por feiticeiros de que podiam matar os portugueses sem perigo para eles próprios e que as terras e propriedades dos brancos ficariam para eles." Muitos fazendeiros empreendem a fuga do inferno, chegam a Luanda e partem daí para Portugal. Mas outros juntam-se para defender o que é seu pelo trabalho, pegam em armas e formam milícias. Sem surpresa, a contra-ofensiva faz depredações semelhantes às dos bacongos e por todo o Norte vulgarizam-se cenas de horror e crueldade. (...)

Março 22

Concentração de tropas no Norte de Angola. A Força Aérea bombardeia povoações nos distritos do Congo, Cuanza Norte e Malanje. O ministro do Ultramar, almirante Lopes Alves, parte para Angola. Mais de três mil e quinhentos colonos são evacuados por ponte aérea. Em Luanda, cerca de quatrocentos brancos cercam e isolam o consulado americano e atiram às águas da baía o carro do cônsul William Gibson. A inspiração americana da revolta da UPA é indisfarçável. (...) Henry Kissinger, secretário de Estado, confirmou mais tarde o apoio a Holden Roberto. (...)

História e Ciência – José Ferreira Nunes.

Acordo de Alvor

Na sequência do 25 de Abril, finalmente, no Alvor (Portugal), os três concertaram com o Governo português um acordo sobre a fórmula pela qual Angola se tornaria independente.

No Alvor, os três movimentos foram reconhecidos como únicos e legítimos representantes do povo angolano, e Angola como país indivisível, incluindo o enclave de Cabinda.

Seria estabelecido um governo de transição, baseado numa fórmula de coligação. Um alto-comissário seria nomeado por Portugal, sob ordens directas do presidente da República, Costa Gomes, e o Governo de transição seria constituído por 12 ministros, três portugueses e os restantes nove distribuídos igualmente pelos movimentos de libertação.

Um conselho presidencial, constituído por um representante de cada movimento, presidiria ao Governo, rotativamente, até à data marcada para a independência, 11 de Novembro.

O Governo devia tomar posse até ao fim de Janeiro, marcar eleições no prazo de nove meses, e deveria ser constituído um exército unificado. Na altura da independência, essas forças militares unificadas deveriam ter 48 mil homens - 24 mil efectivos portugueses e oito mil de cada um dos movimentos. Os militares portugueses em excesso seriam evacuados até 30 de Abril, e todas as tropas portuguesas deveriam deixar Angola até Fevereiro de 76.

Os interesses dos portugueses residentes eram assegurados, e os movimentos comprometiam-se a considerar angolanos todos os que tivessem nascido em Angola, ou os que ali vivessem e se declarassem angolanos por opção. Contudo, a concessão de cidadania aos não nascidos em Angola era remetida para o que fosse estabelecido na futura Constituição.

Assinaram por baixo, por Portugal, o ministro sem pasta major Melo Antunes, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Soares, o ministro da Coordenação Interterritorial, Almeida Santos, e, por Angola, os líderes do MPLA, da FNLA e da UNITA.

JN temas especiais – José Gomes

Independência e Guerra Civil

Na sequência do derrube da ditadura em Portugal (25 de Abril de 1974), abre-se perspectiva imediata para a independência de Angola. O Governo português, negoceia com os três principais movimentos de libertação ( MPLA - Movimento Popular de Libertação de Angola, FNLA - Frente Nacional de Libertação de Angola e UNITA - União Nacional para a Independência Total de Angola ), o período de transição e o processo de implantação de um regime democrático em Angola (Acordos de Alvor, Janeiro de 1975).

A independência de Angola não foi o ínicio da paz, mas o ínicio de uma nova guerra aberta. Muito antes do dia da Independência, a 11 de Novembro de 1975, já os três grupos nacionalistas que tinham combatido o colonialismo português lutavam entre si pelo controle do país, e em particular da capital, Luanda. Cada um deles era na altura apoiado por potências estrangeiras, dando ao conflito uma dimensão internacional.

A União Soviética e Cuba apoiavam o MPLA, que controlava a cidade de Luanda e pouco mais. Os cubanos não tardaram a desembarcar em Angola (5 de Outubro de 1975).

A África do Sul que apoiava a UNITA, por seu lado, invade Angola (9 de Agosto de 1975).

O Zaire que apoiava a  FNLA invade também este país (Julho de 1975). A FNLA conta também com o apoio da China, mercenários portugueses e também com o apoio da África do Sul.

Os EUA que apoiaram inicialmente apenas a FNLA, não tardam a ajudar também a UNITA. Neste caso, o apoio manteve-se até 1993. A sua estratégia foi durante muito tempo dividir Angola.

Lusotopia - Carlos Fontes.

MEMÓRIAS - ÍNDICE POR PÁGINAS:   1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16   17  18   19   20   21   22   23   24   25


ÍNDICE POLÍTICO                    
A Vingança do macaco rafeiro
Biografia de António de Oliveira Salazar
Humberto Delgado
FNLA - MPLA - UNITA
O Início da Luta Armada em Angola
Antecedentes da Sublevação da Baixa do Cassange
Sublevação da Baixa do Cassange
Mártires de Cassanje exigem indemizações "com comentários"
Antecedentes da Guerra - Coronel Mello Machado
Memórias de África - A Multirracialidade
A Explosão do ensino em Angola
4 de Fevereiro de 1961
Porquê o 4 de Fevereiro ?
A Verdade sobre o 4 de Fevereiro de 1961
4 de Fevereiro de 1961 (O papel do Cónego Manuel das Neves)
Os "herois" do 4 de Fevereiro de 1961
Guerra Colonial em Angola: estórias na primeira pessoa
Norte de Angola 1961 - O Velho Cafaia
Norte de Angola 1961 - O Alferes Robles
Norte de Angola 1961 - Palavras Enigmáticas
1961 Operação Viriato a conquista de Nambuangongo
O Massacre de Cólua
Angola, 15 de Março de 1961
Norte de Angola 1961
Norte de Angola, Golongongo

Operação Viriato - Rumo a Nambuangongo
Angola - Vitória Militar no Leste
Memórias de José Carlos Rodrigues
A Última conversa em Família- Marcelo Caetano
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974 (comentários)
Esse 25 de Abril...
Quem é que em 1975 pôs o PCP na ordem?
Os Flechas
Com o Chão a Fugir Debaixo dos Pés
MPLA: Fome, violentações, assassínios.
O ÊXODO
O Êxodo dos brancos: Causas e efeitos
Marcelo admitiu Angola Independemnte
Os meses alucinantes do "Almirante Vermelho"
Texto integral do Acordo de Alvor
Pontos essenciais dos Acordos de Bicesse
Discurso de Agostinho Neto no Acordo de Alvor
Discurso de Holden Roberto no Acordo de Alvor
O esvaziamento do Acordo de Alvor
Savimbi-A aliança com os colonos
25 de Novembro sem máscara
Álvaro Cunhal, Vasco Gonçalves e Mário Soares
Agostinho Neto, Jonas Savimbi e a sua morte
AGOSTINHO NETO (biografia)
Agostinho Neto - 1  
Agostinho Neto - 2
Morte de Agostinho Neto (versão da URSS)
JONAS SAVIMBI (biografia)
Savimbi - O homem das grandes recusas
Angola episódios desconhecidos da presença militar soviética
Savimbi-A fé inabalável na morte

As mulheres com o calcanhar de aquiles de Jonas savimbi
Morte de Savimbi
Morte de Savimbi por Pedro Mafuma
Os últimos dias de Savimbi
EUA e Israel ajudaram a assassinar Jonas Savimbi
O 25 de Abril e as suas consequências em Angola (Jonas Savimbi)
Plataforma de entendimento (Jonas Savimbi)
O dedo envenenado Russo-Cubano (Jonas Savimbi)
Negritude e racismo (Jonas Savimbi)
A Paz e as suas prespectivas (Jonas Savimbi)
Biografia de Holden Roberto
Há quatro anos assassinaram o lider histórico da UNITA
O Bastião da resistência de Jonas Savimbi
Pepetela confessa-se
Recordação de um Desastre
O Guerrilheiro que Salvou Agostinho Neto
A Convicção Messiânica de Nito Alves
O 27 de Maio de 1977
27 de Maio de 1977 (2)
Explicação política do 27 de Maio de 1977 pelo general Del Pino
A Revolução perdida de Sita Valles
27 de Maio (Purga em Angola)
Nuvem Negra-O drama do 27 de Maio de 1977
Holocausto em Angola
Acordo de Alvor
Acordo de Alvor foi apenas um pedaço de papel - Almeida Santos
Traição ao Acordo de Alvor - Pinheiro de Azevedo
Ficheiros Secretos da Descolonização de Angola -1
Ficheiros Secretos da Descolonização de Angola -2
Mário Soares
Mário Soares e a PIDE/DGS
Chegada a Angola de Savimbi e de Agostinho Neto
Governo de Transição de Angola
Os Judas de 30 rublos
Rosa Coutinho Inflama Angola e A Batalha de Luanda
Comunicado da FNLA ao povo angolano (1975)
Encontro de Holden Roberto com a Imprensa (1975)
Entrevista de Holden Roberto ao DN (1999)
Comentários de Holden Roberto, Jonas Savimbi, Eleições
Descolonização

Independência de Angola
Independência de "Fachada"
Em conclusão
O Adeus Português
O arriar da bandeira no Palácio e na Fortaleza de S. Miguel
Os Dias da Vergonha
QUEM ATIROU A PRIMEIRA PEDRA?
O fim do Ultramar Português
Eduardo dos Santos recusa diálogo
Coutada de priviliagiados
Eleições em Angola, Setembro de 1992
Guerra Civil em Angola
A Guerra do Kuito
Comentários Internacionais
Regresso a Portugal
Angola, Anatomia de Uma Tragédia
ANGOLA RECONSTRUÇÃO NACIONAL "Comentários"
A Realidade de Cabinda
Cabinda
Agostinho Chicaia presidente da "Mpalabanda" Cabinda
Presidente de Cabinda com comentários
de Jonas Savimbi e Eduardo dos Santos (vídeo-clip)

Memórias de Cabinda
O Memorando de Entendimento para a Paz e Reconciliação em Cabinda
Genocídio continua em Cabinda
Cabinda. Relato de 14 horas fatais de tortura
Angola: país rico, povo pobre
A Jamba mineira
Cuba no Mundo (Angola)

Soldados cubanos em Angola antes da independência
Os cubanos em Angola - Gen. Rafael Del Pino Diaz
Os cubanos em Angola (1) Gen. Rafael del Pino
Os cubanos em Angola - Fui para Angola como um cão
Influência do armamento nuclear sul-africano na guerra de Angola
A Derradeira Batalha
A Derradeira Tentativa
Batalha de Luanda ? (Uma história mal contada)
Porque não conquistamos Luanda - Santos e Castro
A batalha de Kifangondo nas vésperas da Independência
Operação Savana 1975 (rio Queve)
Operação Savana 1975 (rio Nhia
Os cubanos em Angola - Angola a Guerra Injusta
Os cubanos em Angola - O Exército Mercenário 
Os cubanos em Angola - Acontecimentos Transcendentais
Os cubanos em Angola - Operação Carlota
Os bastardos de "Carlota"
Fidel Castro saqueou Angola e torturou angolanos
Os cubanos em Angola - Ay_Carlota
Os cubanos em Angola - Batalha da UNITA
Os cubanos em Angola - Cuito Canavale
A Batalha de Cuito Cuanavale "versão sul-africana"
A Batalha de Cuito Cuanavale "Estalinegrado angolano"
Os combatentes que nunca exitiram
Ofensiva do Lomba (Cuito Cuanavale revisitado)
Castro explica porque perdeu a guerra contra a SADF
Cuba. As memórias do líder da revolução
1989, O caso Ochoa
A Decisão Final - Del Pino

Proa à Liberdade - Del Pino
Fidel Castro
Tu também morrerás Fidel
Che Guevara
Debate sobre os restos mortais de Che Guevara
Angola, a mulher cubana e a família
Café uma riqueza em extinção
30 Anos de Angola Independente
Longe de quase tudo e perto de quase nada - Jorge Eurico
Em Luanda

Português, Combatente, Abandonado
Abandonar Angola - Um Olhar à Distância
Portugal, os Estados Unidos e a Guerra Angolana
Ilha dos Castros (CUBA)
Testevideos

POLÍTICA ACTUAL

Kuando-Kubango é uma provícia abandonada
Angola o país do futuro
Sócrates vai a Angola enquanto a Europa vira as costas a Santos

José Eduardo dos Santos é o maior obstáculo à democracia em Angola
OPINIÃO por Eugénio Costa Almeida
D. Queirós Alves, arcebispo do Huambo (comentários)
A golpada do alegado "golpe de estado" em Angola
As parcerias portuguesas de Isabel dos Santos
Direitos Humanos em Angola
Direitos fundamentais para os angolanos Visita de José Sócrates a Angola
José Sócrates em Angola
José Sócrates em Angola
José Sócrates em Angola
Angola tem feitico e Portugal perdeu o enguiço...
Cabinda, comentários de Agostinho Chicaia, presidente da "Mpalabanda"
Os dias de uma professora na Gabela, Angola
Eduardo dos Santos Um "deus" contestado
A Fortuna de Savimbi
Samakuva ataca o regime

Os Lugares Comuns de José Eduardo dos Santos
Chuvadas em Luanda
A Vergonha da reconstrução vs cidade de Luanda
Em que Pé ficamos

Governação de Luanda
Regresso a Angola
Luanda de Luxo
O rosto de Angola
Miala e o regime
Angola/32 anos
Quem não tem dinheiro em Angola morre
Drama das minas assombra Angola
Angola quer ser potência econónima "a curto prazo"
Angola tem um pensamento totalitário - José Agualusa
LUANDA: a miserável e a milionária "Comentários"
José Socrates elogia o trabalho do Governo Angolano
A ressurreição do Huambo
MPLA promete um milhão de empregos
Ex-combatentes da UNITA
José Eduardo dos Santos
Eleições em Angola 2008 (0)
Eleições em Angola 2008 (1)
Eleições em Angola 2008 (2)
Eleições em Angola 2008 (3)
Eleições em Angola 2008 (4)
Eleições em Angola 2008 (5)
Eleições em Angola 2008 (6)
Eleições em Angola 2008 (7)
Eleições em Angola 2008 (8)
Eleições em Angola 2008 (9)
Eleições em Angola 2008 (10)
Eleições em Angola 2008 (11)
Eleições em Angola 2008 (12)
Eleições em Angola 2008 (13)
Eleições em Angola 2008 (14)
Eleições em Angola 2008 (15)
Campanha do MPLA terá custado 60 milhões
Angola: raids TT na alvorada do turismo
Entrevista. Luis Araujo, SOS Habitat
Restos mortais de ex-militares são uasados para magia negra 
Cuando-Cubango no projecto Kaza Park
"Angolagate" atinge figuras políticas francesas
Reflexões do companheiro Fidel
Terceiro fôlego de Eduardo dos Santos
Esta "princesa" investiu milhões na nossa banca
Visita de José Eduardo dos Santos a Portugal (1)
Visita de José Eduardo dos Santos a Portugal (2)
Visita de José´Eduardo dos Santos a Portugal (3)
Visita de José Eduardo dos Santos a Portugal (4)
Visita do Papa a Angola (1)
Visita do Papa a Angola (2)
Visita do Papa a Luanda (3)
Portugueses saem à descoberta das noites loucas de Luanda
Luanda preserva e reabilita o seu centro histórico
Pequenos empresários portugueses que triunfaram em Angola
Pepetela - O Planalto e a Estepe
Lider angolano vive dilema na transição
O caso Miala (comentarios de Jango)
O povo a quem um poeta deu a independência
Tchizé compra o bairro Katambor
Avião para os vinhos de Manuel Vicente
Angola: a maioria do povo está a ficar mais pobre
Sonangol e Isabel dos Santos 
URSS quase apoiou FNLA e admitiu apostar em Savimbi
Povo angolano em estado de asfixia 

Colonizadores e não colonialistas
Angola 10 anos sem guerra
UNITA acusa MPLA de governar pelo medo
UNITA na rua por eleições transparentes
Isabel dos Santos: A face invisível dos negócios angolanos
A mulher mais poderosa de Portugal é angolana
De filha do presidente a empresária angolana
O poder para o povo
Luanda: Insegurança não assusta portugueses
Portugueses são muito bem-vindos a Angola
José Eduardo dos Santos perpetua-se na presidência
Perfil: José Euduardo dos Santos, o déspota discreto
Um acordo político que não evitou a guerra em Angola
Nova Constituição angolana reforça poderes do Presidente
Oposição angolana critica presidencialização do regime
Mudança em Angola é inevitável
Presidente angolano marca 30 anos no poder
Perfil: José Euduardo dos Santos, o déspota discreto
O Principe Perfeito
Manuel Alegre "desertor"
Manuel Alegre. Passado militar persegue o candidato
Viúva de Agostinho Neto vai ser julgada por difamação em Lisboa
Morte do almirante-vermelho Rosa Coutinho
Independência de Angola
Visita do Presidente Cavaco Silva a Angola
Angola episódios desconhecidos da presença militar soviética
General Silva Cardoso 1928-2014
O legado de Mandela mantém-se vivo na África do Sul?
Soweto ainda espera promessas do ANC
A cidade de Luanda
Angola-sálários oferecidos em Luanda estão a baixar
Avião para os vinnhos de Manuel Vicente
A vida de luxo na cidade mais cara do mundo
Há muitos angolanos a viver de restos
Luanda a vida na cidade dos extremos
Ricos como a cerveja tirada à pressão num instante mas a maior parte é só espuma
General angolano chegava a pagar US$ 100 mil por sexo com brasileiras
Zedú no governo de Zenú
Os angolanos donos de Portugal
Amnistia Internacional denuncia clima de perseguições em Angola
Angola e a Lusofonia
Diamantes de Sangue -Rafael Marques
Angola,o país onde morrem mais crianças
A Pilhagem de África (Angola)
Angola Pais Pobre-Rafael Marques

HISTÓRIA
Humbe
Angola (História)
História de Angola
Rainha Jinga Mbamdi
Raínha Jinga Mbandi (2)
Soba Mandume Ndemufayo
Angola - Abolição da escravatura
Abastecimento de Água a Luanda
Subsídios para a história de Luanda
O Quissanje
O Xilofone-Marimba

DIVERSOS
Fotografias 1972-1974
Fotografias de Angola
Fotografias tradicionais
Ritual Kioko da Circuncisão - Lunda
Fotografias do Kuito depois da guerra
Fotografias do Huambo depois da guerra
Fotografias da estrada do Huambo depois da guerra
Imagens de belezas naturais de Angola
Fotografias das gentes do interior de Angola
Fotografias do Liceu Nacional Salvador Correia em Luanda
Fotografias do lixo em Luanda
A nossa convivência com as gentes de Angola
A Arte Kioka
Máscaras Mayaca
Duo Ouro Negro- Música africana dos anos 60/70
Bonga
O Pintor de Angola Neves e Sousa 
Nova música angolana quer esquecer a guerra (Paulo Flores)

MEMÓRIAS

Nasci a 25 de Março do ano de 1931 na Freguesia de Sª Maria na cidade de Bragança no Nordeste Transmontano. O meu pai era sargento do exército na altura prestando serviço no Regimento de Infantaria 10 mais tarde Batalhão da Caçadores 3 que estava instalado junto do castelo e que mais tarde foi demolido para dar uma visão mais ampla do castelo. Infelizmente o meu pai faleceu aos 33 anos de idade e tinha eu apenas 3. Sou o mais velho de três irmãos felizmente ainda vivos. A nossa mãe, viúva mas ainda jovem, tinha um irmão mais velho em Angola na povoação do Chengue próxima da cidade de Silva Porto (Kuito) onde tinha uma casa e a loja comercial. Por isso resolveu ir para Angola com a intenção de voltar a casar e nos poder dar um futuro melhor.

Este meu tio que não cheguei a conhecer pessoalmente, vivia com uma preta e tinha, como é evidente, filhos mestiços, todos eles reconhecidos. Mesmo assim, em 1974/75 foi barbaramente assassinado à catanada pelos chamados revolucionáros locais a quem, como era costume, devia ter vendido fiado (a crédito) tudo o que eles necessitavam.

Ficámos entregues a uma tia que nos criou com muito carinho e sacrifício não obstante recebermos uma pequena pensão do Estado pela morte do nosso pai. Esta tia foi praticamente a nossa mãe tendo inclusivamente vendido todo o seu património que herdara para nos criar porque a nossa mãe, embora já casada, devido às complicações com a Segunda Grande Guerra Mundial, nem sempre tinha possibilidade de nos enviar os meios suficientes para o nosso sustento.


A minha tia Maria

Como se fora hoje, recorda-me da velha escola primária que frequentei no bairro da Estacada e o meu primeiro professor Sr. Vinhas, pessoa respeitável com barba comprida tipo judeu. Nas proximidades da velha escola estava já a ser construída uma escola nova moderna com características arquitectónicas completamente diferentes, mandada construir pelo governo de Salazar. Toda a estrutura principal era de granito, amplas salas de aula com lareira e sanitários num recinto coberto para nos intervalos das aulas nos abrigarmos quando chovia. Em Bragança havia pelo menos quatro dessas escolas, duas para rapazes e outras duas para raparigas. Ainda cheguei a frequentar uma dessas escolas novas na 4ª classe.


Eu e os meus dois irmãos mais novos

Tenho bem presente na memória que nas salas de aula na parede por detrás da mesa do professor, havia dois quadros: um com o retrato do Presidente da República na altura Marechal Carmona e do Primeiro Ministro Dr. Oliveira Salazar. No centro um crucifixo. Nas paredes laterais da sala de aulas havia quadros, não me lembra quantos, os chamados quadros de Salazar. Recorda-me apenas de dois que ficaram, não sei porquê, gravados na minha memória. Num deles do lado esquerdo via-se uma velha escola e o professor bêbado. Os alunos insubordinados saltavam pelas janelas para a rua. Do lado direito viam-se as escolas tal como aquela que eu vi construir. O outro era um quadro onde, do lado esquerdo, se via um automóvel da época talvez um Ford circulando numa estrada toda cheia de buracos. Do lado direito as estradas novas mandadas construir pelo Governo de Salazar.

Recordo, também, que num recital feito na escola se exaltavam os quadros de Salazar. A mim coube-me dizer a introdução: "Os quadros de Salazar são a mais alta lição que ao Mundo se pode dar à Grei e a toda a Nação". E, naquele tempo, assim foi. Foram construídas as ditas escolas nas principais cidades, estradas cujo piso em paralelipipedos ligavam as principais cidades do país e pontes modernas para a época que ainda hoje estão activas. Foram também construídas outras importantes obras de arte.


Foto do meu primeiro BI quando entrei
para a Escola Industrial.

Terminado o estudo primário (4ª classe) fui matriculado na Escola Industrial de Bragança que, naquele tempo, tinha apenas duas especialidades para os alunos do sexo masculino: carpintaria e serralharia. O liceu devido às nossas fracas possibilidades económicas era interdito às classes mais desfavorecidas porque não havia dinheiro para pagar as propinas e os livros. Por isso, a escola industrial era o meio mais económico para quem queria continuar estudando e fazer um curso prático que lhe daria no futuro algumas possibilidades de emprego.

Nas tardes quentes de Verão íamos tomar banho no rio Sabor que é um afluente do Douro e ficava a cerca de 2 km da cidade. As suas águas, naquele tempo, cristalinas, com muitos peixes: barbos, escalos e bogas que nós pescávamos. Aproveitávamos para tomar banho, principalmente nos fundões e na represa da ponte nova que tinha uma agueira (canal) para o moinho do Castanheira. No início dessa agueira que era ladeada por arbustos, salgueiros e amieiros, as jovens costumavam tomar banho vestindo apenas as camisas interiores de Verão que, com a água, ficavam transparentem e pegadas aos corpos e nós, já rapazotes, aproveitávamos para dar uma espreitadela e apreciar com volúpia a intimidade dos seus esbeltos corpos.


Ponte nova do Sabor (foto do autor)

A estrada que ia de Bragança a Miranda do Douro já era asfaltada e passava junto rio ao Sabor estando ladeada de cerdeiros (cerejeiras) bravos que davam frutos mais pequenos mas que depois de maduros eram muito saborosos. Era o que nos valia para saciar o apetite depois de uma tarde inteira no rio. Essas árvores tinham mais de 6 metros de altura e o seu tronco era muito liso, por isso, era preciso muita destreza para engatar (trepar) até ao cimo e poder comer as apetecíveis cerejas o que nem todos conseguiam fazer.

Entretanto, para conseguir algum dinheiro e também ocupar o tempo principalmente nas noites de Inverno, juntamente com alguns amigos fui para a banda dos Bombeiros Voluntários de Bragança onde aprendi música e a tocar um instrumento que na altura estava vago. Sax soprano e depois mais tarde Sax alto.

Nos dias de romaria nas aldeias no distrito de Bragança era costume contratarem uma banda de música para animar a festa e a banda dos Bombeiros Voluntários de Bragança era, na altura, a preferida por ser a melhor da região. No final do Verão, os lucros da nossa actividade nas festas eram distribuídos pelos elementos da banda que, naquele tempo, dava pelo menos, para comprar um bom fato de fazenda de lã e também um bom par de sapatos.


O nosso grupo da Banda dos BVB (1950)

Estávamos em plena 2º Grande Guerra Mundial e Salazar para agradar a gregos e troianos enviava para a Inglaterra e para a Alemanha as sobras de Portugal. Havia racionamento de todos os bens alimentares e cada família tinha de adquirir senhas para os comprar de acordo com o agregado familiar. A nossa alimentação diária devido à escassez de meios financeiros era frugal, uma sopa de legumes com um courato e um fio de azeite por cima. Um copito de tinto normalmente acompanhava as refeições diárias que pouco variavam. Para quem vivesse na cidade como nós mas tivesse meios financeiros, havia sempre possibilidade de comprar no mercado negro o que era necessário.

Mesmo assim, com essa alimentação simples e natural nunca tomei nenhum medicamento e a primeira injecção que apanhei foi contra a febre amarela quando embarquei para Angola tinha 20 amos de idade. As constipações por vezes muito frequentes no Inverno devido ao frio eram curadas com suadouro: um copo de bom vinho tinto bem quente adoçado com mel. Normalmente resultava mas houve amigos meus com mais posses que morrerem de tuberculose.


Recordação do Jardim da Vila,  Bragança e a Praça da Sé 1951 (fotos autor)

No nosso distrito havia minas de volfrâmio, mineral que era utilizado juntamente com o aço no fabrico de canhões e que era vendido a bom preço aos países beligerantes. Muita gente ganhou bastante dinheiro com o volfrâmio mas como não estavam habituados a tanta fartura era gasto em bens desnecessários e supérfluos e, assim como vinha, também se ia rapidamente.

Num local onde se fazia a feira semanal em Bragança chamado Toural havia uma separadora de volfrâmio estrangeira. Nas imediações viam-se escórias provenientes do metal purificado ou apenas grosseiramente separado do minério bruto. Os largos portões da separadora eram de madeira mas estavam quase sempre em reparação tantas vezes eram partidos. Viatura carregada de volfrâmio e perseguida pelas autoridades que entrasse na dita separadora estava a salvo.


Bragança vista do Jardim da Vila e o Calvário, 1951 (fotos autor)

Em Maio de 1945 a Alemanha assinou a rendição. Logo pela manhã a banda da qual fazia parte deu uma volta à cidade tocando uma marcha alegremente para comemorar a rendição que acabava com o tormento da guerra e, consequentemente, com o racionamento que nos fora imposto durante alguns anos.

Havia um convívio saudável entre rapazes e raparigas da mesma geração e nas romarias ou nas festas da cidade eram frequentes os bailaricos donde saía por vezes um namorico que no início era quase sempre escondido.


Bragança, Cidadela. A casa onde residi até ir para Angola (foto do autor 1980)

Concluído o curso industrial não era fácil conseguir um emprego. Com sorte, um amigo que pertencia também à banda do Bombeiros Voluntários disse-me que no Notário onde era amanuense precisavam de mais um empregado. Fui recomendado para o lugar pelo meu amigo e por lá fiquei durante uns anos onde pratiquei dactilografia numa velha máquina de escrever Remington e também escrita manual nos livros do cartório, aperfeiçoando assim o estilo de escrever. O vencimento para a época não era grande coisa, por isso, ou continuava como amanuense no Notário até melhorarem as condições ao que parecia estava para breve, ou teria de procurar outro modo de vida. Só me restavam poucas alternativas: aos 19-20 anos ir como voluntário para a aviação em Alverca, fazer o curso de furriel miliciano e por lá ficar o que não era fácil ou, então, ir para a PIDE como alguns dos meus amigos fizeram. Sempre era melhor do que estar desempregado.

Como amanuense do único notário de Bragança, conhecia muitas pessoas e, entre elas, algumas jovens que depois da conclusão do 5º ano do liceu e para ingressarem na Escola Nornal (Escola Superior de Educação) para se formarem em professoras do Ensino Primário (Essino Básico) precisavam reconhecer as assinaturas dos respectivos requerimentos. Por isso, quando me encontrava com elas na rua ou nos jardins mantinhamos uma conversa amena e agradável que ainda hoje, passados 58 anos, recordo com saudade e amor, porque não dizê-lo também, o meu primeiro grande amor. Naquela época (anos 50) recorda-me também de uma canção romântica brasileira que se chamava Copacabana cantada pelo "Braguinha" que uma dessas minhas amigas frequentemente cantava e que era transmitida pela Emissora Nacional ou pelo Radio Clube Português a qual, depois de muita pesquisa na Net consegui obter na versão original que podereis ouvir aqui. Estou certo de que as pessoas desse tempo que a ouvirem sentirão a mesma nostalgia que eu sinto.


Eu (no centro) e os meus irmãos  (1951)

Como sempre tive uma grande aptidão para a electrónica, com algum sacrifício, comprei alguns livros sobre o tema, muito comuns naquela época traduzidos do Francês, onde ensinavam a fazer receptores com detectores de galena, as chamadas simplesmente Galenas. Montei um desses receptores com o parco material que consegui eu mesmo fazer, inclusivamente os auscultadores que eram a peça principal e que foram feitos com fio muito fino do secundário de uma bobina de ignição avariada de um automóvel e com duas caixas de pomada para calçado vazias. Como não tinha minério de galena natural preparei-a com enxofre e limalha de chumbo tudo fundido num tubo de vidro até cristalizar. Com esse aparelho rudimentar conseguia escutar a BBC. Foi uma alegria indescritível. Mais tarde, já com mais conhecimentos de electrónica e mais possibilidades económicas, fiz um receptor com válvulas alimentado por pilhas e com os auscultadores apropriados. Com este pequeno receptor e com uma antena exterior conseguia ouvir não só a BBC como a Emissora Nacional e outras.

Entretanto a minha mãe que tinha casado há anos e estava vivendo em Vila Luso (Luena), Angola, sabendo da minha situação, escreveu-me dizendo-me que era melhor eu ir para Angola porque lá teria mais facilidade de conseguir um emprego possivelmente na Diamang. Que me enviaria os meios monetários necessários para a passagem e a respectiva carta de chamada na altura estupidamente obrigatória. Perante todas as alternativas que tinha optei por ir para Angola.

Contactei uma agência no Porto que se encarregava de conseguir passagens por via marítima para Angola. Em Junho de 1951 fui contactado por eles dizendo-me que tinha passagem marcada no navio Moçambique para 15 (?) de Junho e, por isso, comprei passagem de comboio para o Tua, daí para o Porto e depois para Lisboa.

Foi uma viagem longa a que não estava habituado. Chegado a Lisboa, tinha à minha espera um primo que trabalhava como continuo no Ministério das Colónias. Passei de eléctrico pelo Terreiro do Paço e, foi aí, que pela primeira vez na vida vi o Tejo e o mar. Não fiquei muito surpreendido. No dia seguinte fomos à Companhia Colonial de Navegação para confirmar a passagem. Como ele tinha contactos frequentes com os funcionários da companhia perguntou a um dos seus amigos se havia uma passagem marcada em meu nome para o navio Moçambique. Para meu espanto não estava nada marcado. A agência do Porto sacou-me o dinheiro e fui enganado.

Como o meu primo tinha conhecimentos na companhia, pediu ao amigo que me conseguisse uma passagem em terceira suplementar. Ouvi o funcionário dizer-lhe baixinho:

- Esse é mesmo teu primo ou é dos nossos primos ?

- Não, este é mesmo meu primo, vê lá o que podes fazer.

E fez mesmo, conseguiu-me uma passagem em terceira suplementar para o Lobito no navio Moçambique. Entretanto, à noite, no Terreiro do Paço assisti encantado à passagem das Marchas Populares de Santo António de Lisboa.

No dia seguinte foi mostrar-me o navio Moçambique que estava atracado no cais da Rocha. Foi a primeira vez que vi um navio daquele porte. Mas, mesmo assim, no meu imaginário, pareceu-me pequeno e, por isso, perguntei-lhe:

- É pá isso não é um navio muito pequeno?

Ele respondeu-me: - Não, é um barco normal e leva muitos passageiros e carga para África.