Quarta-feira, 12 de Março de 2008

Visita. Energia é uma nova frente de oportunidades para parcerias

Angola abre novas perspectivas de negócio para Portugal


Visita de Eduardo dos Santos terminou com a assinatura de acordos em São Bento.
(Foto DN)

Empresários satisfeitos com o que ouviram e com novas expectativas

ANA TOMÁS RIBEIRO

A visita de dois dias do Presidente da República de Angola a Portugal, que terminou ontem, deu um impulso às relações económicas entre os dois países e pode abrir novas oportunidades de negócio para os investidores nacionais naquele mercado. Foi esta a opinião manifestada por alguns dos empresários portugueses que ontem encheram a sala de um hotel em Lisboa, para assistirem à conferência organizada pela AICEP- Agência para o investimento e Comércio Externo de Portugal, pela sua congénere angolana ANIP e ainda pela Câmara de Comércio e Indústria Portugal Angola. Um encontro que contou com a presença dos ministros da Economia de Portugal e Angola, Manuel Pinho e Manuel Nunes Júnior respectivamente. Mas os empresários só esperam resultados concretos, a médio e longo prazo.

Seja como for. Agradou-os o que ouviram, quer de Eduardo dos Santos, quer do Ministro da Economia angolano ou mesmo do presidente da Agência Nacional para o Investimento de Angola, Aguinaldo Jaime. "Todos garantiram que têm vontade em acolher investimentos portugueses. E isso é bom. Mas nós devemos estar atentos e saber escolher as oportunidades e os parceiros alertou o presidente da CIP - Confederação da Indústria Portuguesa, Francisco Vanzeler. Energia, saúde, educação e serviços são alguns dos sectores onde Francisco Vanzeler considera que os investidores nacionais poderão ter oportunidades.

A energia foi, aliás um dos sectores que esteve em foco na conferência. O ministro da Economia, Manuel Pinho defendeu uma parceria estratégica entre os dois países para o sector. Na opinião do presidente da agência nacional de investimento angolana, esta também é uma área onde se podem abrir novas oportunidades de cooperação.

O presidente angolano também não escondeu a satisfação com os resultados da visita. Em São Bento, após terem sido assinados os acordos de cooperação económica entre os governos de Lisboa e de Luanda, disse que aqueles "superaram as expectativas". Eduardo dos Santos elogiou o contributo dado pelo primeiro ministro português para o desenvolvimento das relações bilaterais entre Portugal e Angola. E pediu a Sócrates que"continue a confiar no Governo de Angola." *

Incentivos para investimento no interior

Os projecto de investimento e novas intenções de investidores estrangeiros continuam a ter como destino regiões do litoral angolano. Para evitar a concentração e promover a dispersão geográfica Angola admite vir a criar a um sistema de incentivos que estimule os investidores a apostar em projectos no interior do País. Quem o disse foi Aguinaldo Jaime, presidente da Agência Nacional para o Investimento de Angola em declarações aos jornalistas, no final da conferência sobre negócios.